Quimilokos de Plantão!

Google+ Followers

Buscador QUIMILOKO! [pesquise no próprio Blog e na WEB]

Pesquisa personalizada

Dúvidas?! Entre em nosso Bate Papo Quimiloko!

NOBEL 2010

Bom dia pessoas!
Bem, não foi dessa vez que fui classificada no TOP BLOG...sniff..sniff..
Mas valeu pela força dos que votaram no QUIMILOKOS por lá!
Meu muito obrigada a todos que prestigiaram meu blog e que tiraram um tempinho pra votar nele no site do Top Blog 2010.
No ano passado havia ficado entre os 100 primeiros, dessa vez não deu...mas tudo bem!
=]
.
Bom, hoje quero falar um pouco sobre o Prêmio Nobel, especificamente o de Química, claro!
hehehe!
Você conhece os ganhadores deste ano?!
E dos anos anteriores?!?Você os conhece?!
Vou deixar a vocês então, uma "listinha básica" dos ganhadores do NOBEL desde 1901, e qual[is] foram seus feitios! [lembrando que a ordem é decrescente, ok?!]
Então lá vai:

Prémios Nobel da Química

2010 - Richard Heck (EUA), Ei-ichi Negishi e Akira Suzuki (Japão), pelas suas investigações na área da síntese orgânica, em concreto no que respeita a novas formas, mais eficientes, de ligações entre átomos de carbono, permitindo a construção de moléculas complexas, úteis no desenvolvimento de novos medicamentos, assim como na criação de materiais como o plásticos e isolantes.

2009 - Venkatraman Ramakrishnan e Thomas Steitzs (EUA) e Ada Yonath (Israel) pelos estudos da estrutura e função dos ribossomas.
Os ribossomas traduzem a informação do ADN para produzirem proteínas, sendo portanto cruciais para a vida. Os três investigadores mostraram como é um ribossoma e como funciona ao nível atómico. Os três usaram a cristalografia por raio X para mapearem a posição para cada um dos centenas de milhares de átomos que compõem o ribossoma.
Dentro de cada célula de todos os organismos há moléculas de ADN que contêm informação sobre como vão ser e funcionar os seres humanos, as plantas ou as bactérias. Mas essas moléculas só por si não valem nada. A informação nelas contida precisa de ser transcrita e traduzida para ser transformada em algo real. É essa a tarefa dos ribossomas. A partir das moléculas de ADN, eles sintetizam proteínas: hemoglobina, anticorpos, hormonas, colagénio ou enzimas. Há dezenas de milhares de proteínas no corpo com diferentes formas e funções. São elas que constroem a vida a um nível químico.
A compreensão do funcionamento dos ribossomas tem-se revelado cada vez mais importante, já que muitos dos antibióticos usados hoje em dia actuam através do bloqueio da actividade dos ribossomas bacterianos. Sem ribossomas funcionais, a bactéria não consegue sobreviver.
Os três laureados mostraram através de modelos tridimensionais de que forma diferentes antibióticos se ligam ao ribossoma. Estes modelos são usados para desenvolver novos antibióticos.


2008 - Osamu Shimomura (EUA), Martin Chalfie (EUA) e Roger Y. Tsien (EUA), pela descoberta e desenvolvimento da proteína verde fluorescente. “A proteína verde fluorescente, ou GFP (na sigla em Inglês), foi observada primeiramente na medusa Aequorea Victoria, em 1962. Desde essa altura, a proteína tornou-se uma das mais importantes ferramentas usadas na biociência contemporânea”.


2007 - Gerhard Ertl (Alemão), pelos estudos sobre reacções químicas nas superfícies sólidas, com aplicações industriais desde a produção de fertilizantes à compreensão dos processos de ferrugem. «Esta ciência é importante para a indústria química e pode ajudar-nos a compreender os diversos processos de funcionamento da ferrugem e dos catalisadores das viaturas».
«As reacções químicas sobre as superfícies catalíticas jogam um papel vital em numerosas operações industriais, como a produção dos fertilizantes».

2006 - Roger Kornberg (EUA), por ter descrito como as células copiam a informação dos genes para ser usada no funcionamento do organismo. A maior contribuição de Roger Kornberg nesta área foi a criação de imagens cristalográficas que representam o processo de transcrição em acção em organismos eucarióticos, constituídos por células com núcleos bem definidos.
"O aspecto verdadeiramente revolucionário da imagem criada por Kornberg é que captura o fluxo integral do processo de transcrição".
Compreender como funciona a transcrição tem uma importância médica fundamental, uma vez que distúrbios neste processo estão envolvidos em muitas doenças, incluindo cancro, a doença cardíaca e vários tipos de inflamação.


2005 - Yves Chauvin (Francês), Robert H. Grubbs (EUA) e Richard R. Schrock (EUA), pelos seus contributos para o "desenvolvimento do método de metátese na síntese orgânica", o que contribui para a redução dos resíduos perigosos na composição de novos químicos. Este processo é usado "diariamente na indústria química, sobretudo no desenvolvimento de fármacos e de materiais plásticos".


2004 - Aaron Ciechanover e Avram Hershko (Israel) e Irwin Rose (EUA), pela sua investigação do processo de degradação das proteínas celulares, nomeadamente pela degradação proteica mediada pela ubiquitina. Com esta investigação é agora possível compreender a nível molecular como é que a célula controla numerosos processos centrais através da destruição de umas proteínas e não de outras.


2003 - Peter Agre (EUA) e Roderick MacKinnon (EUA), pelos seus estudos sobre os canais das membranas celulares. Os estudos sobre os canais moleculares permitem entender a química da célula. Estas descobertas permitiram perceber como é que os rins recuperam água da urina e como é que os impulsos eléctricos nas nossas células nervosas são gerados e propagados. Permitem entender grande parte das doenças, como por exemplo as doenças de rins, coração, músculos e sistema nervoso.


2002 - John B. Fenn (EUA), Koichi Tanaka (Japão), e Kurt Wüthrich (Suíça), pela sua contribuição para o desenvolvimento da espectrometria de massa e ressonância magnética nuclear, métodos que permitem identificar e analisar macromoléculas biológicas, como as proteínas. Os trabalhos premiados permitiram desenvolver métodos analíticos que facilitam a compreensão das macromoléculas e a interacção destas, ou seja, basicamente aquilo que determina as funções das células do corpo humano e também revolucionaram o desenvolvimento de medicamentos e são promissores em outras áreas como, por exemplo, o controlo alimentar e o diagnóstico precoce de alguns tipos de cancro.


2001 - William Knowles (E.U.A), Barry Sharpless (E.U.A), Ryoji Noyori (Japão), pela investigações na área da síntese catalítica assimétrica.


2000 - Alan J. Heeger (E.U.A), Alan G. MacDiarmid (E.U.A), Hideki Shirakawa (Japão), pela descoberta e desenvolvimento dos polímeros condutores.


1999 - Ahmed H. Zewail (Egipto/E.U.A), pelos estudos sobre os estados de transição nas reacções químicas, usando a espectroscopia do fentossegundo.


1998 - Walter Kohn (Áustria), pelo desenvolvimento da teoria da densidade-funcional e John A. Pople, (Grã-Bretanha), pelo desenvolvimento de métodos computacionais em química quântica.


1997 - Paul D. Boyer (EUA), John E. Walker (Grã-Bretanha), pelo esclarecimento do mecanismo enzimático, sublinhando a síntese do trifosfato de adenosina e Jens C. Skou (Dinamarca), pela descoberta de um ião transportador de enzimas.


1996 - Robert F. Curl Jr. (E.U.A), Sir Harold W. Kroto (Grã-Bretanha), Richard E. Smalley (E.U.A), pela descoberta dos fulerenos.


1995 - Paul J. Crutzen (Holanda), Mario J. Molina (E.U.A), F. Sherwood Rowland (E.U.A), pelos trabalhos desenvolvidos no campo da química da atmosfera, em particular, relacionados com a formação e decomposição do ozono.


1994 - George A. Olah (E.U.A), pelos estudos efectuados sobre química dos carbocatiões.


1993 - Kary B. Mullis (E.U.A), pela descoberta do método de reacção em cadeia dos polímeros, Michael Smith (Canadá), pela contribuição para o estabelecimento da base dos oligonucleótidos e seu desenvolvimento para o estudo das proteínas.


1992 - Rudolph A. Marcus (E.U.A), pela contribuição para a teoria das reacções de transferência de electrões nos sistemas químicos.

1991 - Richard R. Ernst (Suíça), pelo desenvolvimento da metodologia da expectroscopia de alta resolução nuclear magnética ressonante.


1990 - Elias James Corey (E.U.A), pelo desenvolvimento da teoria e metodologia da síntese orgânica.


1989 - Sidney Altman (E.U.A), Thomas R. Cech (E.U.A), pela descoberta das propriedades catalíticas do ARN.


1988 - Johann Deisenhofer (Alemanha), Robert Hubert (Alemanha), Hartmut Michel (Alemanha), pela determinação da estrutura tridimensional essencial para a fotossíntese.


1987 - Donald J. Cram (E.U.A), Jean-Marie Lehn (França), Charles J. Pedersen (E.U.A), pelo estudo dos mecanismos de reconhecimento molecular fundamentais para a catálise enzimática, regulação e transporte.

1986 - Dudley R. Herschbach (E.U.A), Yuan T. Lee (E.U.A), John C. Polanyi (Canadá), pelos estudos sobre dinâmica dos processos químicos elementares.


1985 - Herbert A. Hauptman (E.U.A), Jerome Karle (E.U.A), pelo desenvolvimento de métodos de determinação da estrutura dos cristais.


1984 - Robert Bruce Merrifield (E.U.A), pelo desenvolvimento da síntese química numa matriz sólida.

1983 - Henry Taube (E.U.A), pelos estudos efectuados sobre as reacções de transferência de electrões, em especial, nos complexos de metais.


1982 - Aaron Klug (Grã-Bretanha), pelo desenvolvimento de técnicas de microscopia electrónica cristalográfica e compreensão da estrutura de complexos de proteínas e de ácidos nucleicos.


1981 - Kenichi Fukui (Japão), Roald Hoffmann (EUA), pelas teorias, desenvolvidas separadamente, relativas à evolução das reacções químicas.


1980 - Paul Berg (E.U.A), pelos estudos no campo dos ácidos nucleicos, em particular na recombinação do AND e Walter Gilbert (E.U.A), Frederick Sanger (Grã-Bretanha), pela contribuição para a determinação da sequência das bases do ADN.


1979 - Herbert C. Brown (E.U.A), Georg Wittig (Alemanha), pelo desenvolvimento do uso de compostos de fósforo e do boro como reagentes importantes na síntese orgânica.


1978 - Peter D. Mitchell (Grã-Bretanha), pela formulação da teoria quimiosmótica.


1977 - Ilya Prigogine (Bélgica), pelo aperfeiçoamento da teoria satisfatória da termodinâmica de não equilíbrio.


1976 - William N. Lipscomb (E.U.A), pelos estudos que permitiram explicar a estrutura e a ligação química nos boranos.


1975 - John Warcup Cornforth (Grã-Bretanha), Vladimir Prelog (Suíça), pelos trabalhos sobre a estereoquímica das reacções orgânicas catalisadas por enzimas.


1974 - Paul J. Flory (E.U.A), pelos trabalhos desenvolvidos no campo da química das macromoléculas.


1973 - Ernst Otto Fischer (Alemanha), Geoffrey Wilkinson (Grã-Bretanha), pelos trabalhos, desenvolvidos separadamente, no âmbito da química organometálica.


1972 - Christian B. Anfinsen (E.U.A), Stanford Moore (E.U.A), William H. Stein (E.U.A), pelos estudos efectuados sobre a sequência de aminoácidos na ribonuclease que permitiram a compreensão da relação entre a estrutura da molécula e a actividade catalítica do centro activo.


1971 - Gerhard Herzberg (Canadá), pelo estudo da estrutura electrónica e da geometria das moléculas.


1970 - Luis F. Leloir (Argentina), pela descoberta do nucleótido do açúcar e da sua função na biosíntese dos hidratos de carbono.

1969 - Derek H. R. Barton (Grã-Bretanha), Odd Hassel (Noruega), pelo desenvolvimento do conceito de conformação e sua aplicação em Química.


1968 - Lars Onsager (E.U.A), pelas descobertas das relações recíprocas de Onsager, fundamentais para a termodinâmica dos processos irreversíveis.


1967 - Manfred Eigen (Alemanha), Ronald George Wreyford Norrish (Grã-Bretanha), George Porter (Grã-Bretanha), pelo estudo das reacções químicas extremamente rápidas provocadas por alterações de equilíbrio.


1966 - Robert S. Mulliken (E.U.A), pelos trabalhos efectuados na área das ligações químicas e da estrutura electrónica das moléculas, através da teoria das orbitais moleculares.


1965 - Robert Burns Woodward (E.U.A), pela contribuição dada no campo da síntese orgânica.


1964 - DorothyCrowfoot Hodgkin (Grã-Bretanha), pela determinação da estrutura de substâncias bioquímicas, recorrendo a técnicas de raio X.


1963 - Karl Ziegler (Alemanha), Giulio Natta (Itália), pelos trabalhos desenvolvidos no campo da polimerização.


1962 - Max Ferdinand Perutz (Grã-Bretanha), John Cowdery Kendrew (Grã-Bretanha), pela contribuição dada para o estudo da estrutura das proteínas globulares.


1961 - Melvin Calvin (E.U.A), pelos estudos efectuados sobre a assimilação do dióxido de carbono pelas plantas.


1960 - Willard Frank Libby (E.U.A), pelo desenvolvimento do método de datação pelo carbono-14.


1959 - Jaroslav Heyrovsky (Checoslováquia), pela descoberta e desenvolvimento do método polarográfico de análise química.


1958 - Frederick Sanger (Grã-Bretanha), pelos trabalhos sobre a estrutura das proteínas, em particular da insulina.


1957 - Lord Alexander R. Todd (Grã-Bretanha), pelos trabalhos desenvolvidos no campo dos nucleótidos.


1956 - Sir Cyril Norman Hinshelwood (Grã-Bretanha), Nikolay Nikolaevich Semenov (URSS), pelas pesquisas no mecanismo das reacções químicas.


1955 - Vincent du Vigneaud (E.U.A), pela primeira síntese de uma hormona polipeptídica.


1954 - Linus Carl Pauling (E.U.A), pelos trabalhos desenvolvidos sobre a natureza das ligações químicas.


1953 - Hermann Staudinger (Alemanha), pelas descobertas no campo da química macromolecular.


1952 - Archer John Porter Martin (Grã-Bretanha), Richard Laurence Millington Synge (Grã-Bretanha), pela invenção da cromatografia de partição.


1951 - Edwin Mattison McMillan (E.U.A), Glenn Theodore Seaborg (E.U.A), pela produção de plutónio e de outros elementos transuranianos.


1950 - Otto Paul Hermann Diels (Alemanha), Kurt Alder (Alemanha), pela descoberta e estudo da síntese dos dienos.


1949 - William Francis Giauque (E.U.A), pelos trabalhos desenvolvidos no campo da termodinâmica química.


1948 - Arne Wilhelm Kaurin Tiselius (Suécia), pelos trabalhos efectuados em electroforese e análise de adsorção.


1947 - Sir Robert Robinson (Grã-Bretanha), pelos estudos efectuados sobre alcalóides.


1946 - James Batcheller Sumner (E.U.A), pela descoberta da cristalização das enzimas, John Howard Northrop (E.U.A), Wendell Meredith Stanley (E.U.A), pela preparação de enzimas e do vírus das proteínas numa forma pura.


1945 - Artturi Ilmari Virtanen (Finlândia), pelos trabalhos desenvolvidos na área da química dos alimentos e, em especial, pelo seu método de conservação dos alimentos.


1944 - Otto Hahn (Alemanha), pela descoberta da fissão nuclear.


1943 - George de Hevesy (Hungria), pelos trabalhos desenvolvidos sobre a utilização dos isótopos como reveladores das propriedades químicas das substâncias.


1942 - Não foi atribuído


1941 - Não foi atribuído


1940 - Não foi atribuído


1939 - Adolf Friedrich Johann Butenandt (Alemanha), pelos estudos desenvolvidos no domínio das hormonas sexuais e Leopold Ruzicka (Suíça), pelos trabalhos desenvolvidos no campo dos polimetilenos e terpenos de elevada massa molecular.


1938 - Richard Kuhn (Alemanha), pelas pesquisas no domínio das vitaminas e dos carotenóides.


1937 - Walter Norman Haworth (Grã-Bretanha) pelas pesquisas nas áreas dos hidratos de carbono e da vitamina C e Paul Karrer (Suíça), pelo estudo da constituição dos carotenóides, flavinas e vitaminas A e B.


1936 - Petrus (Peter) Josephus Wilhelmus Debye (Holanda), pelo estudo dos momentos dipolares que contribuiu para o conhecimento da estrutura molecular e da difracção de raios X e de electrões nas moléculas dos gases.


1935 - Frédéric Joliot (França), Irène Joliot-Curie (França), pela síntese de novos elementos radioactivos.


1934 - Harold Clayton Urey (E.U.A.), pela descoberta do deutério.


1933 - Não foi atribuído


1932 - Irving Langmuir (E.U.A.), pelos estudos desenvolvidos no campo da química das superfícies.


1931 - Carl Bosch (Alemanha), Friedrich Bergius (Alemanha), pela descoberta e desenvolvimento dos métodos químicos de alta pressão.


1930 - Hans Fischer (Alemanha), pela síntese da hemina e trabalho sobre a estrutura da clorofila.


1929 - Arthur Harden (Grã-Bretanha) e Hans Karl August Simon von Euler-Chelpin (Suécia), pelo estudo da fermentação do açúcar e das enzimas fermentativas.


1928 - Adolf Otto Reinhold Windaus (Alemanha), pelo estudo da constituição dos esteróides e da sua relação com as vitaminas.


1927 - Heinrich Otto Wieland (Alemanha), pelo estudo dos ácidos biliares e substâncias relacionadas.


1926 - The (Theodor) Svedberg (Suécia), pelos trabalhos desenvolvidos sobre os sistemas dispersos.


1925 - Richard Adolf Zsigmondy (Alemanha), pelos trabalhos desenvolvidos no âmbito da química dos colóides.


1924 - Não foi atribuído


1923 - Fritz Pregl (Áustria), pela descoberta do método de microanálise de substâncias orgânicas.


1922 - Francis William Aston (Grã-Bretanha), pela descoberta de um grande número de isótopos em elementos não radioactivos, através da espectrometria de massa.


1921 - Frederick Soddy (Grã-Bretanha), pelo estudo da química das substâncias radioactivas e da origem e natureza dos isótopos.


1920 - Walther Hermann Nernst (Alemanha), pelo estudo das trocas de calor, nas reacções químicas (termoquímicas) e pela formulação da terceira lei da Termodinâmica.


1919 - Não foi atribuído


1918 - Fritz Haber (Alemanha), pelo processo de Haber, processo de síntese do amoníaco a partir do azoto e do hidrogénio, sob pressão e usando ferro como catalisador. Este processo pode ser usado para a produção de fertilizantes ou de explosivos.


1917 - Não foi atribuído


1916 - Não foi atribuído


1915 - Richard Martin Willstätter (Alemanha), pela descoberta dos pigmentos das plantas, especialmente a clorofila.


1914 - Theodore William Richards (E.U.A), pela determinação dos pesos atómicos de 60 elementos.


1913 - Alfred Werner (Suíça), pelos trabalhos desenvolvidos sobre a ligação dos átomos nas moléculas.


1912 - Paul Sabatier (França), pela descoberta do método de hidrogenação de compostos orgânicos e Victor Grignard (França), pela descoberta dos designados reagentes de Grignard (compostos organo-metálicos de magnésio, muito úteis na síntese orgânica).


1911 - Marie Curie (França), pela descoberta dos elementos rádio e polónio bem como pelo isolamento do rádio.


1910 - Otto Wallach (Alemanha), pelo trabalho pioneiro no campo dos compostos alicíclicos.


1909 - Wilhelm Ostwald (Alemanha), pelo estudo da velocidade das reacções químicas, assim como dos catalisadores e das condições do equilíbrio químico.


1908 - Ernest Rutherford (Grã-Bertanha), pelos trabalhos desenvolvidos no âmbito da desintegração dos átomos pela radiação a e pelas investigações no domínio das substâncias radioactivas.


1907 - Eduard Buchner (Alemanha), pelas pesquisas na área da Bioquímica e a descoberta da fermentação por extractos celulares.


1906 - Henri Moissan (França), pela investigação e isolamento do flúor.


1905 - Johann Friedrich Wilhelm Adolf von Baeyer (Alemanha), pelos trabalhos desenvolvidos na Química Orgânica, em especial com compostos aromáticos e corantes orgânicos.


1904 - Sir William Ramsay (Grã-Bretanha), pela descoberta dos elementos dos gases inertes, hélio, néon, xénon e crípton e pela localização destes elementos na Tabela Periódica.


1903 - Svante August Arrhenius (Suécia), pela sua teoria da dissociação electrolítica.


1902 - Hermann Emil Fischer (Alemanha), pelos trabalhos de pesquisa desenvolvidos nas áreas dos açúcares e das purinas.


1901 - Jacobus Henricus van't Hoff (Holanda), pela descoberta das leis da dinâmica química e da pressão osmótica nas soluções.



FONTE: 
http://www.malhatlantica.pt/fisicaequimica/nobel_quimica.htm

 Bom, por hora é só, meus[as]queridos[as]!!
=]
Uma ótima sexta-feira, já com gostinho de feriado prolongado!
hehehe!
Um mol de beijos!

0 comentários:

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.